Este erro grotesco ACABA NA HORA com a atração que um homem poderia sentir por você

Tenho ficado bastante preocupada com alguns e-mails que venho recebendo.

Muitos homens gays me procuram falando coisas do tipo:

Verônica, conheci um cara semana passada e estou apaixonado por ele. É o homem da minha vida! O que eu faço pra conquistá-lo?

Nada contra paixões avassaladoras, mas conheceu semana passada e já é o homem da vida? Sério mesmo?

Confirma, produção? Não quer mais um tempinho para ter certeza não?

Sinceramente, sabe qual é o nome disso?

Carência!

Não, não é a falta de sexo. Nem de um grande amor na vida. É falta de um abraço, de um afago e alguém para, simplesmente, estar ali.

A solidão é mesmo uma droga. E algumas pessoas, definitivamente, não conseguem lidar com ela. Precisam de companhia para fazer as refeições, para ir ao cinema, passar os feriados e até para fazer o número dois – acredite você ou não.

É impossível ser feliz sozinho, já dizia o Vinícius de Morais, e quem sou eu para discordar?

Nada melhor que um boy em uma noite fria, um brinde com cerveja gelada em um domingo de praia e um corpo quente ao lado na cama, já que ninguém é de ferro.

Mas, quando a própria companhia não basta e ter alguém se torna uma necessidade, isso passa a se tornar um problema.

Homens que não costumam se relacionar com outros, tendem a se apegar a qualquer um que dá um pouquinho do que eles nunca tiveram.

É o caso do perfil do boy supercarente: aquele que quer tanto conhecer outras pessoas e outros mundos, que esquece de olhar o seu próprio.

Boys assim geralmente emendam um namoro no outro e se envolvem muito rápido em uma nova paixão. Abdicam de suas vontades e desejos apenas para conquistar a outra pessoa de maneira mais ligeira. E aí, adeus autoconhecimento.

Quando se está faminto,
qualquer comida serve

Você provavelmente já escutou aquela dica quente que diz mais ou menos assim: não vá ao supermercado com fome, caso contrario irá se jogar na primeira coxinha requentada e acabará comprando mais do que precisa.

Somos seres necessitados! Necessitamos de sol, de pessoas, de amor, de lazer, de sexo e, claro, de comida.

Quem nunca ficou irritado e quase sem pensar enquanto o estômago roncava que atire a primeira pedra.

A fome pode mesmo nos tirar do sério, mas isso não quer dizer que você deva atendê-la sem critério algum. Bem pelo contrário: você pode escolher um cardápio saudável, preparar sua comida, convidar alguém para compartilhar do alimento e se saciar com uma quantidade razoável.

A mesma regra se aplica para relacionamentos: quando nos sentimos carentes, e não sabemos lidar com isso, é comum embarcarmos em relações de “pouco valor nutricional“. Afinal de contas, a vontade de comer é tanta que qualquer coisa serve!

Imagine, então, um cara que nunca recebeu atenção em casa, que sempre foi rejeitado pelo pai por ser “diferente” e agora leva anos na seca sem sair com ninguém…

Daí, um belo dia, ele conhece um boy bacana na balada.

O boy é super simpático e parece estar bem a fim. Caralho, que sorte! Que boy interessante!

Nem preciso dizer que é claro que esse cara vai se apaixonar. Porque ele é carente. Porque ele está com fome. Porque, nesse caso, qualquer coisa que preencher a cueca tá valendo.

Pois bem, eaí o que acontece…

Ele começa a investir todas as suas fichas no tal boy.

Chama pra sair, pressiona, manda mensagens de 5 em 5 min, convida pra tudo, enfim, gruda nele igual um carrapato.

E o crush, que até poderia sentir algo por ele, se ele continuasse agindo normalmente, fica assustado, óbvio.

Ele até gosta do carentão, mas percebe que não sente o mesmo, na mesma intensidade. E, por isso, começa a evitá-lo.

Então, é assim que a carência te fode, meu bem. Acabou o mistério para aquele desaparecimento repentino!

Anote no caderninho: sempre que uma pessoa se dá conta de que você está sentindo algo muito maior do que ela sente, a tendência é que ela se afaste.

Agora, a pergunta que não quer calar é: como acabar com a carência?

E a resposta é muito simples: conheça mais homens!

Eu sei que seu objetivo pode ser namorar. E namorar é uma decisão que requer pensar não só com a cabeça de baixo…

Você vai conviver com outra pessoa, outra personalidade, outras manias, outros problemas. Vai, certamente, abrir mão de muitas coisas e talvez mudar certos hábitos em prol da boa convivência.

Aliás, conviver é mesmo um desafio diário. É perder um pouco do seu espaço para deixar que o outro entre nele. É abrir mão de hábitos antigos, é dormir com a televisão ligada porque ele não gosta de silêncio, é chegar em casa e guardar o sapato dentro do armário porque ele não pode ver nada fora do lugar…

Sabe o que isso tudo quer dizer?

Que escolher a pessoa errada poderá te trazer muita dor de cabeça!

Então, pense comigo: como você acha que estará apto a escolher alguém para passar a vida toda ao seu lado, sem conhecer algumas outras opções antes?

É difícil…

Já te digo: a chance de se ferrar é bem alta.

Não tem jeito. A melhor maneira de encontrar o verdadeiro mozão é passar por algumas experiências (às vezes nem tão boas) e aprender muito sobre seus limites, seus gostos e o seu objetivo de vida.

Além de aumentar as suas probabilidades de sucesso, o fato de conhecer gente nova te deixará mais confiante e mais consciente de que não existe uma única pessoa no mundo capaz de suprir a sua carência.

Pense pela parte quantitativa da coisa: existem mais de 7 bilhões de habitantes no mundo.

Fez as contas? Pensou nas possibilidades?

“Mas ele faz o melhor boquete do planeta”, você me dirá. E eu, sem medo, afirmarei que isso é só uma percepção sua e que, dificilmente, em um universo de pessoas tão grande, ele seja recordista em alguma coisa.

“Mas ele era um parceiro insuperável”. Será? Com quantos outros você já se relacionou para saber?

Pense bem! Você não precisa se agarrar firme no primeiro que te enviar um emoticon safado. Tem muito mais peixe nesse mar, mana!

A gente só encontra alguém bacana para estar ao nosso lado quando nos damos essa chance, quando estamos abertos a conhecer novas pessoas, descobrir nossos gostos, novos jeitos, novas experiências.

Por isso, permita-se!

O que vem depois?

Já imaginou se alguém dissesse que é possível melhorar a autoestima, superar as armadilhas mentais e se tornar um homem altamente irresistível?

Pois é…

Preciso dizer para você que, sim, você pode atrair o cara que você quiser.

E não importa se você é gordo, magro, feio ou bonito…

Quer  saber como?

Descubra o IRRESISTÍVEL, primeiro programa do mercado brasileiro que ajuda você, homem gay, a desenvolver as suas habilidades sociais, ser mais carismático, autoconfiante e atraente.

São instruções diretas e fáceis de colocar em prática.

Ao aplicar essa sequência de atração irresistível em qualquer homem, você verá a rapidez com que ele ficará fascinado por por você.

>>> Clique aqui e conheça o método IRRESISTÍVEL. <<<

  • Zin Roberto Domiciõ

    Verônica, realmente…a carência é fogo e assusta mesmo o futuro pretendente. Antigamente eu era “cego” na questão de querer casar e tal. Depois q eu me permiti ser feliz de verdade é comigo mesmo, muita coisa mudou. Passei por muita coisa: relacionamentos ruins, problemas no trabalho, faculdade, doença de família e admito q todos esses fatores me.ajudaram muito em minha mudança. Pude perceber q pra sermos felizes não precisamos de muito. Sim, no momento estou solteiro e aberto a novos relacionamentos (mandem contatos boys do RJ! Kkkkkkkkkkkk), mas hoje com a mentalidade bem diferente. E obrigado mesmo pelas palavras! Sempre é bom ouvir certas verdades!!! Ajuda muito!

  • Luiz Fernando Dos Santos Santo

    Hoje é um dia que não me sinto bem, conheço alguns caras apaixono rápido e no final acabo me frustando. Sinto falta de alguém que me de atenção que me deixa ser eu mesmo.
    E tão frustante ser rejeitado que acabei decidindo não conhecer mais ninguém e ficar sozinho, talvez o destino de alguns é ficar sozinho por alguma razão que só o universo sabe.