Os 5 estágios pelos quais o homem gay passa ao sair do armário – Em qual você está?

Sair do armário não é um processo que acontece da noite para o dia. Exige planejamento, exige esforço e, principalmente, exige inteligência emocional.

Vão ter dúvidas, vão ter noites mal dormidas, vão ter lágrimas derramadas (muitas!).

Vai ter muita vontade de não ter nascido assim e várias tentativas frustradas de conhecer mulheres para ver se “pega gosto pela coisa”.

Vai ter negação, vergonha, medo…

Muito medo!

E isso pode durar meses. Anos. Décadas.

No que diz respeito a assumir a própria sexualidade, cada caso é um caso.

De todas as formas, geralmente os homens tendem a atravessar 5 fases distintas, desde que começam a suspeitar da sua homossexualidade até que, de fato, revelam ela ao mundo.

Claro que nem todos vão passar por essas etapas de maneira linear.

Tem gente que, de cara, se identificará gay e viverá sua sexualidade sem pudores. Outros levarão anos reprimindo seus desejos, outros simplesmente terão um parceiro sem que ninguém saiba. E tem gente que levará a vida inteira sem nem ao menos sair da primeira fase….

Seja como for – e seja em que etapa você esteja – é interessante que conheça as outras que estão por vir. E também que comemore aquelas pelas quais já passou, por que não?

Veja a seguir:

Estágio 1: Confusão de Identidade
Quem sou eu?

Nesse primeiro estágio, homens começam a sentir atração pelo mesmo sexo, mas não entendem o que isso significa.

Às vezes, é aquela mesma atração que foi sentida pela primeira vez na infância ou adolescência, mas que, na época, foi considerada coisa boba de criança.

Com o tempo ela volta, e mais forte. De maneira que já não pode ser ignorada.

Será que sou gay? Será que sou bi?

É comum o indivíduo reprimir os seus desejos aqui. Também acontece com frequência de homens partirem para a experimentação: iniciam a ter relações sexuais com outros homens, mas, ainda assim, não se consideram homossexuais. Muitas vezes, negam a sua sexualidade por simplesmente se identificarem mais com o contexto heterossexual.

Então, encaram o seu comportamento como só uma fase de experiências novas, que se resumem apenas a interações sexuais. A “regra” é não ter envolvimento emocional. Vários, inclusive, nem aceitam troca de afeto ou beijo nesse período.

Isolação e alienamento para pensar na vida também são comuns nessa etapa. A pessoa pensa: será que isso é só uma fase? Será que vou gostar de homens para sempre?

Estágio 2: Auto identificação
Acho que sou gay

Depois de muito experimentar, ou, para os mais retraídos, depois de muito ver foto de homem pelado e buscar informação, vem a segunda etapa do processo.

Os homens nesse estágio iniciam a encarar de maneira séria a possibilidade de serem gays. Contudo, seja por medo, negação ou outro motivo, ainda não conseguem fazer essa afirmação com 100% de certeza.

Alguns podem se envolver afetivamente com outro homem e, mesmo assim, pensar que isso não será uma situação permanente.

Apesar da negação de muitos, nesse período já se observa nos homens uma resistência menor e uma tentativa de tentar entender, de uma vez por todas, a própria sexualidade.

É quando passam a frequentar ambientes LGBT em busca de suporte e novas amizades. Passo que, aliás, será fundamental para vencer os desafios seguintes.

Estágio 3: Auto aceitação
Sou gay e me aceito como sou

Finalmente, depois de experimentar, buscar ajuda e entrar em contato com o mundo LGBT, o homem neste estágio passa a aceitar a sua homossexualidade, sem pensar em voltar à pratica heterossexual.

É o fim da vida dupla. Das máscaras, da auto enganação, do fingimento. Nessa etapa, a pessoa passa a se identificar com a nova sexualidade e a criar novos vínculos de amizade e afeto com outros gays.

Nesse ponto, a pessoa já tem certeza do que quer e do gosta. Perguntas como “será que sou gay mesmo” dão lugar para “como faço para sair do armário, será que vão me rejeitar”.

É um misto de alívio e medo. Medo de como a sociedade, os pais, os filhos, os colegas de trabalho irão reagir quando souberem da notícia. Aliás, esta fase é mesmo marcada por preocupações, angústia e ansiedade.

Não existe voltar atrás: aqui o homem já sabe que a sua felicidade depende de viver plenamente a sexualidade.

Muitos começam, então, a sair do armário para amigos mais próximos como forma de ganhar confiança para assumir completamente a sua orientação sexual.

Estágio 4: Revelação
Sou gay e já não aguento viver no armário

Aqui é quando sair do armário não é uma questão de escolha, mas sim de sobrevivência. O homem passa a ficar sem ar lá dentro…

Para muitas pessoas, principalmente aquelas que nasceram em famílias tradicionais e religiosas, este tende a ser o momento mais dramático de todo o processo.

Muitos nessa altura já estão em um relacionamento estável, o que torna complicado o anonimato.

É a hora de tornar pública a sexualidade para, dessa forma, poder se relacionar com outros caras sem receio de ser descoberto a qualquer instante.

Para vencer esta etapa, é preciso muita autoconfiança e inteligência emocional. Nem todos conseguem…

Mas aqueles que possuem a atitude necessária para falar “eu sou gay” com todas as letras, certamente, têm uma vida mais muito mais autêntica.

Claro que muita gente inverte a ordem das coisas aqui: se assume gay, mas continua não se aceitando. Como disse antes, nem todos seguirão a mesma ordem cronológica dos fatos.

Estágio 5: Orgulho
Sou gay e tenho orgulho de ser quem sou

Poucos chegam nesse nível de saída do armário…

Homens nesse estágio não só aceitam plenamente a sua homossexualidade, como gostam muito da cultura e comunidade em que estão inseridos.

Não estou falando de sair em manifestações levantando a bandeira do arco-íris, nada disso.

Mas sim de olhar o espelho e sentir orgulho do que vê. De falar sobre a vida íntima sem que isso cause nenhum incômodo. De dizer que, se pudesse ter escolhido a própria orientação sexual, continuaria sendo gay. E que, se pudesse voltar no tempo, não faria nada diferente.

Porque ser gay, para esses homens, não é motivo de vergonha, muito menos de inferioridade. Pelo contrário: é algo que merece admiração. Algo que os fazem felizes, completos.

Não sei se esse é o seu caso, mas o fato é que você pode (e merece) e chegar nesse estágio.

Você tem medo de sair do armário?

Medo que os amigos se afastem?

Medo de que a família te rejeite? De que não amem mais você como antes? De que você seja um motivo de humilhação para eles?

Então, saiba que você não está sozinho.

Conheça o Fora do Armário e descubra como você pode sair do armário da melhor maneira possível NA SUA SITUAÇÃO, seguindo simples (e estratégicos) passos.

O programa, testado e aprovado por muitos brasileiros, está dividido em 4 módulos, um para cada fase do processo de assumir-se gay. São instruções diretas e fáceis de colocar em prática.

Venha! Existe um mundo lindo te esperando do outro lado da porta 🙂

>> Clique aqui e saiba mais sobre o programa Fora do Armário <<