Eu não me enquadro nos padrões de beleza do mundo gay. E agora?

padroes-da-beleza-gay“Se ele fosse mais magro, seria bonito”, “Até que o rosto dele é bonito, mas precisava ser mais forte, “O boy até é gostoso, mas aquele cabelo não dá…”

Já parou para reparar que estamos o tempo todo julgando? Ou são aqueles quilos a mais, ou aqueles quilos a menos. Ou é o sorriso feio, ou é o cabelo desajeitado, ou é a pele branca demais.

O fato é que o ideal nunca existe. Parece algo quase sempre inatingível.

Daí você olha os panfletos ou posts de divulgação de festas gays e o que encontra? Homens descamisados, altos e sarados.

Vai dar aquela conferida no YouTube ou no Instagram, e se depara com perfis “famosos” de casais gays – todos lindos, definidos e bronzeados, claro.

Chega no posto 9 na praia de Ipanema, point LGBT no Rio de Janeiro, e tem a sensação de que os gays lá foram clonados. Todos têm o mesmo corpo, o mesmo corte de cabelo e usam o mesmo tipo de sunga.

Acho que é inegável que alguns – quer dizer, muitos – boys são obcecados por aparência, né?

O que dizer daquela barbie da academia que só fica com outros bombados? E daquele coroa que só quer garotões mais jovens? E daquele outro cara, então, que só usa roupas de grife e só se relaciona com pessoas que também se vistam assim?

Que o meio gay tem padrões altíssimos de beleza, isso já não é novidade para ninguém. A estética desejada é essa que a gente já conhece: homem forte, jovem e másculo.

Agora, a dúvida é: por que isso acontece?

Há quem diga que é porque esse ideal é o que mais se aproxima do que se entende como homem heteronormativo.

E, claro, o homem heteronormativo é o padrão que atrai a maioria dos gays por um motivo simples: eles foram criados por héteros e estão inseridos numa sociedade também hétero. Desse modo, absorveram a noção do que é ser homem a partir da visão deles (pais e sociedade).

Também muitos gays querem parecer o mais masculino possível para se afastarem do estereótipo do gay afeminado e, assim, “enfrentar” o preconceito com menos dificuldade.

Outra verdade que ninguém gosta de dizer é que o parceiro amoroso também funciona como uma espécie de troféu social, em que a beleza tem um papel fundamental para que esse status aumente ou diminua.

Em outras palavras, o prestígio de ter fisgado um boy magia bonitão é quase um sinal de poder pessoal, que insinua uma habilidade secreta por ter realizado tamanho “feito”.

Paradoxalmente, esse mar de homens exigentes que habitam a cena gay são os mesmos que estão perdidos e desesperados pela mesma busca de aceitação.

Contraditório, não?

Qual é o seu conceito de beleza?

Outro dia recebi um email de um leitor com a seguinte dúvida: “como vou arrumar um namorado, se sou pobre e feio?”

Foram essas as exatas palavras utilizadas, acreditem.

A minha resposta?

“Caro leitor, o que é ser bonito e rico para você?

Acho que é isso que falta no mundo gay e na sociedade como um todo: falta esclarecer conceitos.

Posso estar errada, mas uma pessoa rica para mim não é aquela que tem rios de dinheiro. É a que tem saúde, valores e, principalmente, a que é rodeada de muito amor e carinho.

Pare e pense: de que adianta ter a conta bancaria recheada, se faltam pessoas, tempo ou condições físicas para aproveitar tudo isso?

É o clássico caso do executivo de sucesso que nunca tem disponibilidade nem relacionamentos duradouros, porque se dedica 100% ao trabalho. Daí morre jovem de ataque cardíaco. Será que ele foi rico de verdade?

Da mesma forma, a beleza não é medida em músculos ou quadradinhos na barriga. Beleza tem a ver com princípios, tem a ver com educação, com caráter e com tantas outras características que nem o melhor personal trainer pode oferecer.

A triste realidade é que vivemos numa cultura que superestima a aparência e subestima as virtudes que de verdade importam.

Quem disse que para conquistar alguém é preciso ter o corpo sarado e usar só cueca de marca?

O que fazer se eu não sigo o padrão vigente?

Vamos falar sério: ninguém é totalmente satisfeito com o seu corpo. Até o mais atlético gostaria, no fundo, de mudar uma coisinha ou outra.

Mas, muito acima de qualquer detalhe superficial como um pneuzinho a mais ou a menos, o que importa mesmo é se aceitar. Se olhar no espelho e gostar do que vê. Pensar: eu não desejaria ser mais ninguém além de mim mesmo.

Quer saber a verdade? Uma boa parcela dos gays valoriza tanto o corpo porque é muito mais simples malhar o tríceps do que a cabeça… Bem mais fácil esconder os problemas por baixo de uma imagem modelo fitness, não é?

Por isso é tão difícil encontrar gays que exercitem ambos, corpo e mente.

Não tô dizendo aqui que todo cara que se preocupa com a aparência é problemático. Claro que não! Mas aquele que faz dela um pré-requisito para ser feliz, esse sim.

Você não segue os padrões implicitamente vigentes?

Sem problemas!

Se existe uma beleza que você deve buscar incansavelmente, é a beleza interior. É ela que vai fazer a diferença na hora de conquistar os seus objetivos de vida, sejam eles quais forem.

Bumbum duro, ombros largos e barriguinha trincada? Isso até é bonito, mas não dura por muito tempo.

Lembre-se: depois de certa idade, o que fica mesmo é o que está do lado de dentro.

Por um mundo gay com mais diversidade

O meio GLS prega tanto o respeito ao diferente na bandeira, nos slogns, nas campanhas, mas parece esquecer de propagar a mesma mensagem internamente.

Então, vamos buscar isso de fato: DIVERSIDADE.

Que existam gays de vários tipos. Que vivam os gordos, os magros, os masculinos, os afeminados, os sarados, os barrigudos.

Que viva a diversidade e que se considerem lindas todas as formas de beleza.

Estão bombando também...

  • lucas

    é a realidade de hoje em dia…

  • Diego

    Sou seu fã Verônica!!

  • Matheus Santos

    OK, então para valorizar a beleza interior vocês poderiam parar de colocar apenas fotos de modelos superbonitos, n